Glossário
Header shadow

Espécies apadrinhadas

Jatobá Hymenaea courbaril L.

Família: Fabaceae, a família botânica do feijão, dos ingás, do maricá e do pau-sangue.

Outros nomes: jataí e jutaí-açú.

Distribuição Geográfica: No Brasil ocorre nos Estados do PA, AM, MA, PI, CE, PB, PE, BA, MT, GO, MS, MG, SP, ES, RJ e PR. O jatobá é encontrado em vários biomas como Amazônia, Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica e Pantanal, e é uma espécie nativa, mas não endêmica do nosso país.
 
Características: É uma árvore que varia de 15 a 40 m de altura com tronco fino, mas que em certas condições pode chegar a 1,20 m de diâmetro. Suas folhas são compostascom dois folíolos que têm a forma parecida com uma pata de vaca. Além disso, as folhas possuem pontos translúcidos quando olhadas contra a luz. Suas flores são grandes e de cor branca. O fruto é uma vagem de cor marrom, com casca dura e enrrugada que possui de 2 a 4 sementes envoltas por uma polpa branca ou amarelada, com cheiro agradável. São produzidos em média 800 frutos por árvore.
 
Usos
Alimentação: A polpa dos frutos é comestível e pode ser consumida diretamente ou utilizada na fabricação de farinha. Essa farinha é mais nutritiva que a farinha de mandioca e pode ser comparada ao fubá de milho, sendo utilizada para o preparo de mingau, pães e bolos. Os frutos podem ser encontrados em alguns supermercados. 
Madeira: É considerada como madeira nobre ou “madeira de lei”. Possui alta durabilidade, sendo bastante dura e pesada, e por isso utilizada na construção civil e de estradas de ferro. Também é utilizada na fabricação de canoas, móveis e tacos de madeira para pisos de casas e apartamentos. Por ser uma espécie muito explorada para o comércio de madeira, deve ser replantada nos locais em que foi totalmente retirada.
Uso medicinal: Entre seus vários usos medicinais estão o chá da casca contra gripe, bronquite, diarreia etc. e utilização de pequenos pedaços da casca (mascados) para curar a tosse. Além disso, sua seiva é utilizada como fortificante e remédio para problemas respiratórios. Já a resina produzida para cobrir feridas no tronco, pode ser mastigada para amenizar dores estomacais, e quando queimada, sua fumaça é inalada para curar resfriados e dores de cabeça.
Outros usos: A resina do tronco também pode ser utilizada para preencher frestas entre as madeiras de canoas, ajudando na impermeabilização.
 
Curiosidades: O nome Jatobá vem do Tupi e pode significar “o que tem casca dura”, “fruto de casca dura” ou “árvore de fruto duro”, como realmente o é.
 
Informações Ecológicas: É considerado uma espécie secundária e assim que plantado pode crescer de 50 cm a 1m por ano. Começa a produção de frutos após 8 ou 12 anos do plantio. Muitas espécies de animais consomem seus frutos, principalmente mamíferos como as pacas, cutias, veados, macacos e antas. O Jatobá perde parte de suas folhas durante a estação mais seca ou fria do ano e não exige solo muito fértil para crescer.  Assim, é muito útil para reflorestamentos. Em algumas regiões ocorre somente na floresta.
 
Floração: De agosto a dezembro, florescendo somente a cada dois anos. As flores produzem muito néctar e se abrem de noite, sendo muito visitadas por morcegos, seus principais polinizadores. 
 
Frutificação: Amadurecem a partir de julho quando se pode ver muito frutos caídos embaixo da árvore. 
 
Referências:
CARVALHO, P.E.R. Espécies Arbóreas Brasileiras. vol. 1. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica; Colombo, PR: Embrapa Florestas, 2003.
Di DOMENICO, H. Léxico Tupi-Português: com aditamento de vocábulos de outras procedências indígenas. Taubaté, SP: UNITAU, 2008. 
LIMA, H.C. de, 2012. Hymenaea in: Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: <http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2012/FB022972>. Acesso em: 29 abr 2012
LORENZI, H. Árvores Brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil, vol. 1. 4.ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2002.
SHANLEY, P. Jatobá. In: SHANLEY, P & MEDINA, G. (eds.) Frutíferas e Plantas Úteis na Vida Amazônica. Belém, PA: CIFOR, Imazon, 2005. 
SILVA, S. & LEÃO, N.V.M. Árvores da Amazônia. São Paulo: Empresa das Artes, 2006.
* O uso de qualquer planta medicinal deve ser indicado e ministrado por médico ou pessoa capacitada que conheça seguramente a espécie envolvida, seus usos e contra-indicações. Este conteúdo visa apenas informar as utilizações mais comuns das espécies citadas, e desaconselhamos qualquer tipo de automedicação, pois o uso de indevido de algumas plantas pode trazer sérios riscos a vida.
Hr bg