Glossário
Header shadow

Espécies apadrinhadas

Pau-d'alho Gallesia integrifolia (Spreng.) Harms

Família: Phytolaccaceae, a família botânica do cebolão.

Outros nomes: ibirarema.
 
Distribuição Geográfica: É uma árvore nativa e endêmica do Brasil que ocorre na Amazônia, Caatinga, Cerrado e Mata Atlântica. Podendo ser encontrada nos Estados do AM, AC, CE, PB, PE, BA, MT, MG, SP, ES, RJ e PR.
 
Características: Árvore grande de 5 a 30m de altura, com copa bastante ampla e arredondada. O tronco pode variar entre 70 e 140 cm de diâmetro com casca acinzentada ou parda, lisa e descamante. Suas folhas são simples e de consistência grossa. As flores são pequeninas e de cor bege, dispostas em inflorescências, com cheiro de alho. Os frutos são alados e verdes, e quando caem rodopiam e planam com o vento.
 
Usos
Alimentação: Não existem registros para este uso.
Madeira: Considerada um pouco pesada e dura, é utilizada para fazer tábuas e caixotes.
Uso medicinal: O chá das folhas é utilizado contra a gripe. Já o das raízes, dizem ser vermífugo. 
Outros usos: Pode ser aproveitada como ornamental em parques e jardins. 
 
Curiosidades: Todas as partes da planta exalam cheiro de alho e em dias de chuva ou de umidade relativa alta, pode-se sentir esse cheiro a certa distância. Sua ocorrência é tida como indício de terreno fértil. Em Tupi essa árvore é chamada de Ibirarema, o que quer dizer “árvore-ruim” por conta do cheiro que exala. 
 
Informações Ecológicas: Espécie pioneira, de rápido crescimento, sendo muito útil em reflorestamentos, pois rapidamente proporciona sombra para outras espécies. O pau-d'alho mantém suas folhas durante todo o ano e desenvolve-se bem em locais muito ensolarados. Apesar de não ser espécie frutífera, há registros de que sua casca seja consumida por alguns roedores como a paca, o que pode ser útil para o restabelecimento desses animais em locais de recuperação ambiental. Parece viver por muito anos. 
 
Floração: De fevereiro a abril. As flores são polinizadas por abelhas e diversos insetos pequenos.
 
Frutificação: De setembro a outubro. Costuma produzir frutos somente de 2 em 2 anos. 
 
Referências:
CARVALHO, P.E.R. Espécies Arbóreas Brasileiras. vol. 1. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica; Colombo, PR: Embrapa Florestas, 2003.
LORENZI, H. Árvores Brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil, vol. 1. 4.ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2002.
MARCHIORETTO, M.S. 2012. Phytolaccaceae.In: Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: <http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2012/FB012578>.  Acesso em: 14 mai 2012.

108 - Pau d'Alho from Pindorama Filmes on Vimeo.

Conteúdo retirado de Um Pé de Que

* O uso de qualquer planta medicinal deve ser indicado e ministrado por médico ou pessoa capacitada que conheça seguramente a espécie envolvida, seus usos e contra-indicações. Este conteúdo visa apenas informar as utilizações mais comuns das espécies citadas, e desaconselhamos qualquer tipo de automedicação, pois o uso de indevido de algumas plantas pode trazer sérios riscos a vida.

Locais de plantio

Padrinhos desta espécie

Missing
Mariana Guaraná Rio de Janeiro, RJ Espécie: Pau-d'alho
Missing
Danielle Sousa Rio de Janeiro, Espécie: Pau-d'alho
Missing
Camila Souza Rio de Janeiro, RJ Espécie: Pau-d'alho
Missing
Amanda Pontes Pereira Rio de Janeiro, RJ Espécie: Pau-d'alho
Missing
Ana Carolina Dias Luz Rio de Janeiro, RJ Espécie: Pau-d'alho
Conheça mais padrinhos desta espécie
Hr bg